25 de setembro de 2022

Investindo Cosciente

Dicas, novidas e notícias do mundo do investimento!

Servidores federais prometem paralisações e até greve geral para pressionar Bolsonaro a conceder reajuste salarial amplo

2 min read

Movimento busca obter mesmo aumento nas folhas de pagamento dado a 45 mil policiais; ministro Paulo Guedes diz que reajuste estendido pode quebrar o país

Servidores vinculados a órgãos do governo federal decidiram que farão pequenas paralisações e até uma greve geral como pressão para que o governo Bolsonaro (PL) conceda reajustes salariais de forma ampla para as categorias da administração pública.

Esse entendimento saiu de uma assembleia realizada no Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado), no final da manhã desta quarta-feira (29).

A entidade congrega 37 associações e sindicatos de categorias do serviço público federal. Em quantidade de associados, o Fórum diz ter ao menos 200 mil servidores.

O movimento é uma ofensiva contra o governo Bolsonaro, que concedeu, de forma unilateral, aumentos salariais para policiais da esfera federal a partir de 2022 — o orçamento do próximo ano reserva cerca de R$ 1,7 bilhão para o reajuste das corporações policiais.

As pequenas paralisações, que podem durar entre um e dois dias, já seriam realizadas em janeiro. Caso os atos não surtam efeito, a greve geral, esta sem prazo para acabar, pode ser deflagrada em fevereiro, segundo programação do Fonacate.

Outras estratégias serão colocadas em prática, para elevar a pressão contra o governo. Os integrantes do Fonacate prometem continuar a entregar seus cargos de chefia em diferentes órgãos da administração pública.

Essa tática já vem sendo praticada pelos auditores fiscais da Receita Federal e, se for generalizada para outras categorias, poderá impactar a prestação dos serviços públicos.

Os servidores públicos também devem ingressar com ações na Justiça para a obtenção do mesmo ajuste salarial dado aos cerca de 45 mil policiais da esfera federal.

Por meio de nota, o Fórum disse ainda que a maior parte dos servidores públicos federais está com salário defasado em 27,2% devido à falta de reajuste, que não é implementado desde 2017.

As ações pretendidas pelos servidores preocupam o governo Bolsonaro, sobretudo, porque 2022 é ano eleitoral. O ministro Paulo Guedes, titular da Economia, já disse em mensagens encaminhadas a membros da atual gestão que o país pode quebrar se um reajuste amplo for concedido às categorias do funcionalismo federal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.